domingo, 5 de dezembro de 2010

Vícios em jogos eletrônicos

Criado por Daniel Reis Salgado Teixeira e Bruno Pereira

Olá pessoal! Estamos aqui para alertar vocês sobre os jogos eletrônicos. Tema polêmico e que gera muitos problemas com crianças, adolescentes e até mesmo os adultos nos tempos de hoje.

Geralmente no começo tudo isso não passa de uma inocente diversão. Todos que jogam têm o prazer de dominar diversas situações, exercer um poder sobre o outro, controlar dificuldades ou imergir num mundo de fantasia. Assim é então a primeira reação às emoções de um jogo de computador ou vídeo game.

No entanto, a multiplicação das horas passadas diante do computador pode ser danosa. Muitas podem ser as sensações que absorvem a mente nesse “mundo virtual”. Muitas pessoas se viciam com tudo isso. Essa imersão pode representar uma fuga das dificuldades do cotidiano. Devemos ficar alerta pois o cérebro passa a reagir num círculo vicioso, como nos casos de muitas outras substâncias viciosas como as drogas que trazem certos alívios ao esquecer os aborrecimentos, passar por frustrações, medo ou insegurança, pode-se dominar o stress. Os jogos da mesma forma podem trazer alívios.

Muitas vezes esses “viciados virtuais” começam a ter uma vida de “ilusões” e junto dela as vezes aumenta o seu isolamento do convívio social, por exemplo. Eles começam deixar de lado amigos, esporte, viagens, passeios, familiares etc. As notas escolares começam a baixar drasticamente. Começam a ter irritabilidade, tensão, desatenção, ficam muitas vezes violentos, começam a mentir, ter prejuízos, apatia, etc. Se ficarem de castigo e ficarem sem poder jogar, por exemplo, começam a ficar nervosos com todos em sua volta. Somente o computador parece sanear os ânimos.

Mas é claro, é fascinante deslocar o mouse ou controlar um vídeo game mais tudo isso precisa de uma coisa que muitos dependentes não possuem: limite. Muitas vezes esses limites não são colocados em práticas por seus responsáveis, então um aviso aos responsáveis e dependentes: depois de surgir a dependência, a solução dos problemas corriqueiros complica-se drasticamente.

Curiosidades:

Como saber se você esta viciado:

1. Você passa mais tempo com o computador do que com as pessoas.

2. Você não respeita seus próprios limites.

3. Você mente sobre seus hábitos cibernéticos.

4. Sensação de incapacidade sem o computador/internet.

5. Gastos com o computador tornam-se mais importante do que outros.

Como acabar com os vícios.

1. Defina limites para o uso do computador.

2. Retome seus relacionamentos sociais.

3. Modifique sua rotina.

4. Não use o computador para fins recreativos.

5. Acompanhe o seu progresso.


Então é isso pessoal. Procuramos auxiliá-los com essas dicas. Tentamos ser o mais claro o possível e que isso sirva de lição para você que acha que não é dependente. Tente fazer esses testes. Tenham uma vida saudável.

Fontes e crédito das imagens:

http://www.portaldascuriosidades.com/forum/index.php?topic=62997.0 acesso em 14/09/2010.

http://ajudaemocional.tripod.com/id394.html acesso em 14/09/2010.

http://puradiversao.loveblog.com.br/219/A-Internet-como-Vicio/ acesso em 14/09/2010.

http://www.homemdemello.com.br/psicologia/viciointernet.html acesso em 14/09/2010.

sábado, 4 de dezembro de 2010

Dreadlocks

Criado por: Daniel Reis e Guilherme Dias

Olá caro leitor, neste texto falaremos sobre os Dreadlocks que se originaram com o movimento dos rastafáris. Tema no qual nos interessou muito.

A origem dos dreads veio com o movimento dos rastafáris. Sabe-se que provavelmente foram os habitantes da região da África que começaram a utilizar os dreads, por questão de praticidade, pois era difícil cortar os cabelos nesse local e com isso acabavam se tornando muito longos.

Esse movimento continua crescendo e ganhando muitos adeptos entre os jovens. Os dreadlocks, como são chamados, não se fazem, cultivam-se. E, para cultivá-los, são necessários cuidados com a manutenção.

Como se faz o dread?

Em primeiro lugar, seus cabelos devem ser compridos, ou no mínimo, na altura do queixo, pois os dreads diminuem o tamanho dos cabelos naturais. Se seu cabelo é liso e fino, você vai ter que ter muita paciência! Os dreads são específicos de cabelos crespos ou enrolados, mas isso não impede de tentar o penteado para as madeixas lisas. A diferença é que elas darão um pouco mais de trabalho!

Há dois tipos de dreads: de cera e com agulha.

Os dreads de cera são recomendados para qualquer tipo de cabelo, pois a cera os deixa mais firmes. Já os dreads com agulha, são mais compactos e limpos, sendo um pouco mais dolorido o processo de execução. A manutenção de ambos deve ser feita frequentemente.

A técnica:

Dread com cera:

- O cabelo deve estar limpo e seco para começar a fazer os dreads;

- Separe o cabelo em mechas, começando com a parte de baixo dos cabelos. Você é quem decide a espessura do seu dread. Os mais comuns têm de 1 a 2 cm (as mechas mais grossas são mais fáceis de manter);

- Penteie a mecha de baixo para cima, começando pela raiz. Repita o processo até você sentir que o nó está firme;

- Você pode aplicar cera de cabelo para fixar mais (a cera é encontrada em perfumarias que vendem produtos de beleza afros);

- Aperte e vá enrolando as mechas com a palma da mão, utilizando a cera;

- Para finalizar, passe o secador quente, para que a cera “derreta” e fixe-se nos fios;

- Continue enrolando-os com a palma da mão.

Dread com agulha:

- Divida o cabelo em mechas e comece a pentear de baixo para cima, igual ao processo de dread com cera;

- “Costura-se” o cabelo com a agulha de crochê, criando nós;

- Algumas pessoas passam cera para ajudar a fixar os fios;

- Para finalizar, passe o secador quente, para que a cera “derreta” e fixe-se nos fios;

- Continue enrolando-os com a palma da mão.


Dicas para cultivar os dreads:

- À medida que os cabelos vão crescendo, é preciso enrolar de novo os fios. Faça manutenção de dois em dois meses;

- Evite o contato de bandanas, aflanelados ou toalhas felpudas que possam soltar partículas que acumulem ao dread;

- É aconselhável lavar os cabelos regularmente com xampus anti-resíduos ou sabonetes de coco. Nada de condicionador!

- O secador deve estar sempre na temperatura fria para evitar que a umidade prejudique os fios;

- Deve-se ficar atento ao mau cheiro, que indica presença de fungos.


Há diferentes tipos de dreads, veja os exemplos:

Trança Nagô: As tranças são feitas junto ao couro cabeludo, onde permite a criação de vários desenhos. Pode ser feita em qualquer tipo de cabelo.

Dependendo da quantidade de cabelo, o processo de execução pode durar até 7 horas!

Não pode ser lavado todo o dia e, para dormir, recomendam-se usar uma touca, redes ou lenços para proteger as tranças.

Trança Nagô invertida: Diferente da trança nagô tradicional, a invertida começa a ser trançada a partir da nuca e termina na testa. O resultado é um penteado romântico, estilo anos 20. Deve ter os mesmos cuidados que a trança nagô.

Tererê: O tererê é um aplique de linhas coloridas sobre uma trança de cabelo. As linhas podem ser de lã ou de crochê, presas a pequenos elásticos de silicone.

Esse penteado é muito realizado em praias, mas o sol, vento e piscina são inimigos para as tranças e os dreads, podendo ressecar os fios e até rompendo-os.
O cloro ou a água do mar não deve ficar impregnado nos fios, portanto lave e enxugue bem na hora de secar.

Aqueles que possuem dreads sofrem muito preconceito por fugirem dos padrões de beleza tradicionais. E engana-se quem diz que os dreads são sinônimos de sujeiras e maus cheiros, pois os cabelos podem ser lavados normalmente e existem óleos hidratantes que podem ser aplicados na raiz.

Para as pessoas que não tem coragem de adquirir os dread permanentes, surgiu no mercado um prendedor de cabelo com tiras que simulam dreads. Isso mesmo! É chamado de Dread Fashion.

O Dread Fashion é feito com tiras de couro ou lã e podem vir com miçangas ou pedras presas ao prendedor para deixar ainda mais personalizado o look!
Um modelo simples com ate 30 fios, pode ser encontrado por até R$ 110,00 e esse valor pode chegar a R$ 500,00!

Curiosidades:

Quando se fala em dreadlocks logo pensamos no ídolo Bob Marley! É então, você sabia que o cabelo do cantor foi leiloado em Londres no dia 01/05/2003? O dread tinha cerca de 20 centímetros de comprimento e foi vendido por 2.585 libras, cerca de 12 mil e 400 reais. O cabelo pertencia a um fã, que havia ganhado do cantor quando ele fez um show no ano de 1980, um ano antes de morrer, em Londres.

Então é isso pessoal, esperamos ter ajudado vocês com as técnicas utilizadas para fazer os dread, suas curiosidades e a sua origem. Tentamos pegar o máximo de informações sobre o tema, esperamos ter ajudado.

Fontes e créditos das imagens:

http://www.bravus.net/dreads-paz-no-cabelo/ 29/11/2010

http://www.cabeloebeleza.info/como-fazer-dreadlocks-cabelo-rasta-dread/ 29/11/2010

http://virgula.uol.com.br/ver/noticia/musica/2009/01/27/29757-leilao-consegue-12-mil-reais-por-cabelo-de-bob-marley 29/11/2010

Aulas de Sociologia com o professor Telmo Vieira.

A FUTURA UFSC

Nas aulas de Língua Portuguesa recebemos a proposta de escrever uma previsão de como seria a nossa universidade daqui há 60 anos. Nós escolhemos escrever uma história narrada por um personagem: um professor da futura UFSC... Esperamos que gostem!

A FUTURA UFSC

Por Graziela Nogueira e Nicoly Mibielli.

Olá, sou Pedro Rasckobski, estudei na UFSC desde criança. Também foi onde me formei e trabalho até hoje na disciplina que eu mesmo criei: a Ozoniologia Ecológica (um curso que estuda como transformar o lixo em uma substância que ajuda a tampar os buracos que aparecem na camada de ozônio. Esse processo é demorado e caro, mas, sem ele, hoje estaríamos sofrendo com o aquecimento global. Pois seus efeitos são muito fortes).

Desde o ano de 2010 as universidades brasileiras vêm se desenvolvendo muito, igualando-se a muitas universidades de renome internacionais: A UFSC hoje é uma das melhores do Brasil, com cursos diferenciados, incluindo cursos que foram criados aqui mesmo, como o de Ozoniologia Ecológica – OE.

Por conta desse novo curso, ganhei muitos prêmios importantes que ajudaram a minha disciplina a ser reconhecida e trabalhada mundialmente, desde quando foi apresentada pela primeira vez na feira de pesquisa e extensão da universidade, a SEPEX. A disputa foi concorrida, pois envolvia muitos outros cursos excelentes também criados na UFSC como Previsão Oceanológica (que estuda e prevê movimentos do oceano).

O transporte na universidade é exclusivo da mesma, onde vários veículos circulam pelas áreas da grande Florianópolis, transportando os estudantes. A alimentação também é exclusiva, temos quatro prédios com restaurantes universitários.

Atualmente sou professor do curso que criei. Minhas aulas são em laboratório, e meus alunos têm em média 20 anos. Nas aulas de OE, trabalha-se com conteúdos práticos e teóricos que mostram o processo de transformação dessa tal substância.

Realidade da América Latina pelo filme: “Diários de Motocicleta”.

Por Graziela Nogueira.

Durante as aulas de Geografia vimos um filme chamado “Diários de Motocicleta”, que conta sobre a viagem de Che Guevara (Gael García Bernal) e seu amigo Alberto Granado (Rodrigo de la Serna), pela América do Sul. Durante o filme, podemos viajar pela América, tendo contato com algumas das realidades que eles encontraram (na década de 50)... É sobre isto que trata o meu texto.

O filme procura nos mostrar a realidade da América Latina, e algumas das características de cada cultura que encontram no decorrer da viagem.

Por onde passam encontram fazendeiros ricos e arrogantes, mas também pequenos proprietários, pobres e humildes. Estes últimos são quem o abrigava para passar as noites. Em minha opinião o filme procura demonstrar dois lados: os capitalistas não os ajudavam ou os tratavam como “animais”, e os comunistas os recebiam bem e os ajudavam em sua jornada.

O filme também retrata que nas cidades as pessoas são um pouco mais ricas (digamos que sejam de classe média) e nas periferias são mais pobres (onde geralmente possuem um pequeno negócio, como mostra uma cena no filme quando os dois amigos foram concertar a moto nos arredores da cidade).

O filme nos mostra como Ernesto Che Guevara ficava impressionado com a miséria e as péssimas condições de vida quando passavam pelas comunidades carentes, como nas minas de cobre, povoados indígenas e leprosários.

Para terminar uma frase para reflexão:

"A argila principal de nossa obra é a juventude. Nela depositamos todas as nossas esperanças e a preparamos para receber idéias para moldar o futuro." – Che Guevara.

Créditos da imagem: http://rockandrolltrain.wordpress.com/2009/06/26/dica-da-locadora-diarios-de-motocicleta/ acesso em 01.dez.2010.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

As irmandades das igrejas e o poder do ouro em Minas Gerais.

Criado por: Daniel Reis Salgado Teixeira.

Olá, Nesse texto irei falar e explicar um pouco sobre as irmandades das igrejas do século XVIII, e o poder do ouro para elas. Esse tema eu tive a oportunidade de conhecer após a viagem de estudos a Minas Gerais com o Projeto Pés na Estrada do Conhecimento & Iniciação Científica.

Pelo que vimos às irmandades eram organizações religiosas, formados por pessoas comuns (leigas) da sociedade. As irmandades “nobres” compostas por brancos ricos tinham influência política. Os nobres buscavam através de doações de ouro, esmolas, ou os famosos dízimos obter influências sociais e políticas na sociedade, mas também possuíam outros interesses, assim como ter seus pecados perdoados.

Essa obtenção de influência social e políticas na sociedade eram concedidas pelo clero (padres, freiras, diáconos, bispo). Nesta época o ouro tinha grande valor para a igreja e para quem o tinha. Os nobres investiam o seu ouro na igreja, para assim, ter um grande prestígio na sociedade.

Nesse momento, as pessoas iam para a igreja para conversar, fazer amigos, festejar, até mesmo por aquela “fofoca” em dia. Nessa época não se possuíam muitas atividades de lazer. Uma das poucas era ir para a igreja. A igreja então era um espaço de vivência e de relações sociais daquela sociedade.

Cada dia da semana uma irmandade diferente tinha o direito de usar a igreja, por exemplo, a Matriz Nossa Senhora do Pilar (Ouro Preto), que possuía sete irmandades. Cada uma delas utilizava um dia o espaço da igreja. Isso normalmente acontecia com as irmandades que não tinham sua própria igreja, pois as que possuíam utilizavam o seu próprio templo.

As irmandades disputavam entre si o poder na sociedade, onde por exemplo, a quantidade de ouro existente no seu templo ou altar era uma representação dessa poder. Mas também cada irmandade tinha as suas normas, então só podia fazer parte da irmandade quem estava de acordo com as leis criadas por cada uma delas. Exemplo: tinham irmandades que só deixavam participar brancos ricos, com muitas posses e uma posição social. Como também tinham irmandades que só deixavam participar negros escravos e/ou alforriados.

Espero que eu tenha sido claro com minhas palavras e torço que eu tenha ajudado vocês leitores no entendimento sobre esse tema das Irmandades.

Fonte: Viagem de estudos a Minas Gerais, informações baseadas nas palavras com o guia (30/08/2010 a 04/09/2010).

Desafios de História

Durante uma aula de História, recebemos o desafio de criar um rap baseado nas idéias do “Iluminismo”. Mas você sabe o que é isso?


No século XVI, O “Iluminismo” foi apresentado pelos filósofos que reafirmavam que a idéia de que tudo tem uma explicação, e que a igreja não era a única que podia explicar tudo.


Eles defendiam que as pessoas tinham o poder de pensar por si próprias, daí a ênfase na famosa frase: “Penso, logo existo” (René Descartes).


Os iluministas queriam acabar com a miséria humana, e com a desigualdade, projetaram a ideia de uma constituição, e “iluminaram” o pensamento das pessoas... Este foi, basicamente, o iluminismo.


“Iluminismo vem mostrar”


(Graziela Nogueira e Isadora Costa)


O iluminismo veio mostrar

Que a sociedade pode mudar

Século XVI, ele chegou pra ficar,

Nem a igreja conseguiu contrariar

Deu a ideia de progresso, mudança e evolução

Chegou mudando o pensamento do povão

Somente o raciocínio poderia iluminar,

Com a miséria humana ele ia acabar

Ela era fruto somente da ignorância,

O iluminismo veio acabar com a ganância

Criticavam, então, a desigualdade

Que, por sua vez, arruinava a sociedade

Eles queriam organizar a nação

Para isso criaram a constituição

Limitando o poder do governante

É o Iluminismo!

Igualdade, liberdade de expressão, tolerância religiosa, e defesa de propriedade

Esse é o iluminismo.